Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

GAP Cursos & Concursos - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela GAP Cursos & Concursos.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a GAP Cursos & Concursos não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a GAP Cursos & Concursos implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar

Notícias

Crônica: tudo que você precisa saber sobre o gênero textual

@Fonte: Guia do Estudante

Quarta, 05 de maio de 2021

Separamos as principais características desse tipo de texto e alguns erros comuns que você pode cometer ao se aventurar na escrita

Seja na escola, em um exercício específico, ou na leitura despretensiosa de um jornal, você já deve ter se deparado com uma crônica. Mas você consegue bater o olho em um texto e distinguir as características do gênero sem confundi-lo com uma narração, conto ou poesia? Se ficou na dúvida, não se preocupe, pois vamos te ajudar.

O gênero textual surgiu nos jornais brasileiros a partir do retrato de cenas cotidianas narradas de forma literária e da transformação dos tipos sociais em personagens, segundo Gabrielle Cavalin, coordenadora de Redação.

Ela explica que existem dois tipos de crônica: a literária e a argumentativa. A literária tende ao universal, à representação do cotidiano e, por apresentar personagens que, na maioria das vezes, são apenas retratados pelo tipo social, sem nome; enredo; tempo e espaço, aproximando-se do conto. A diferença entre os dois gêneros é que, enquanto a crônica tem essa ligação com o dia a dia, o conto é uma narrativa curta, focada em um único conflito durante o enredo

Já a crônica argumentativa, normalmente parte de um episódio, narrado pelo autor para, a partir dele, tecer comentários, reflexões e argumentações sobre a situação denunciada por ele.

“Também são narrativas que desenvolvem assuntos geralmente extraídos do presente, o que a torna “marcada” temporalmente. Sua linguagem é simples, às vezes coloquial, mas corretamente trabalhada; além disso, pode – ou não – ter personagens”, completa Simone Motta, coordenadora de Português.

- Erros mais comuns

Considerando a crônica literária, o erro mais comum é desenvolver as tramas dos personagens, apegar-se à história de um sujeito específico ou se esquecer de que o foco é o registro do cotidiano, do comportamento da sociedade de maneira mais ampla e não o aprofundamento psicológico e físico de um indivíduo. “A crônica inclusive serve como retrato para entender o comportamento social de um determinado período”, afirma Cavalin.

Já na argumentativa, o erro que pode ocorrer é não ter um equilíbrio entre a parte narrativa e a argumentativa, o que descaracterizaria o gênero.

- Nos vestibulares

Cavalin explica que a crônica é um gênero muito mais cobrado como leitura do que como escrita. “Qualquer prova pode apresentar um trecho de crônica para a partir dela pedir tanto uma questão de entendimento de texto ou análise linguística, quanto compor a coletânea de uma proposta textual”, diz.

Como redação em si, a crônica não costuma ser cobrada na maioria das provas, mas pode aparecer em vestibulares que pedem gêneros diversos e fogem da tradicional dissertação.

A banca da Unicamp, por exemplo, exige que o candidato desenvolva gêneros, como diferentes tipos de narrativa, de cartas, de resenha, entre outros. “Nesse contexto, a crônica se encaixa perfeitamente”, afirma Motta.


Outras Notícias