Espaço do aluno:

Notícias

O que realmente interessa na educação infantil inicial

@Fonte: Aleteia

Quarta, 22 de agosto de 2018

O que está acontecendo com os adultos? E, acima de tudo, o que está acontecendo com as crianças hoje em dia? É que todos têm muitos amigos porque usam seus celulares sem parar? Ou talvez simplesmente não saibamos como viver sem o nosso telefone, e cada dia isso se torna mais fora do nosso controle?

Há estatísticas que devem nos fazer parar e pensar, como as apresentadas pela psicoterapeuta canadense Victoria Prooday. Ela lista alguns dados que podem nos ajudar a entender a situação da juventude hoje:

• 1 em cada 5 crianças tem problemas de saúde mental.
• A prevalência do Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) aumentou 43% entre 2003 e 2011.
• A depressão entre adolescentes aumentou 37% entre 2005 e 2014.
• A taxa de suicídio cresceu 200% entre as crianças de 10 a 14 anos na última década.
• É um erro terrível pensar que simplesmente usar vários aplicativos é uma maneira adequada para que as crianças se preparem para enfrentar o presente – e muito menos o futuro – de forma efetiva e tranquila.

Uma educação saudável exige, acima de tudo, aprender a viver nossa vida cotidiana, sabendo como gerenciar o que realmente conta na vida:

• O lado emocional dos relacionamentos e da vida social;
• Nossas responsabilidades;
• Autocontrole do nosso comportamento de acordo com nossos próprios valores;
• Contato com a realidade, de modo a distinguir o que é essencial e mais importante do que é virtual e muitas vezes desnecessário;
• Planejar nossa própria vida para que possamos trabalhar com nossos objetivos com esperança e entusiasmo.
• Isso só pode ser alcançado quando as crianças podem contar com a presença plena de pais que sabem como amá-las e, ao mesmo tempo, dizer-lhes “não” sempre que necessário; pais que os ensinam, através de exemplos e palavras, a se preparar para crescer e enfrentar a vida real.

Em suma, do ponto de vista psicopedagógico, os aspectos mais importantes da educação infantil a ter em mente são, em certo sentido, uma questão de bom senso. O maior problema que temos é que estamos todos ligados aos ritmos, condicionamentos e modas que a nossa frenética sociedade atual nos está impondo através de todos os meios de comunicação aos quais todos nós, tanto crianças como adultos, estamos conectados.

Como podemos ajudar nossos filhos a crescer, desde os primeiros anos de sua vida?

Ofereça-lhes estabilidade emocional. O domínio afetivo das crianças é o maior tesouro que elas possuem, e temos que cuidar dele, começando nos primeiros anos de vida, para garantir que o amor predomine no futuro. A maneira mais eficaz é passar tempo com as crianças, porque a presença amorosa de seus pais é insubstituível na formação de sua afetividade. O melhor investimento que podemos fazer é educar sua inteligência emocional e ensiná-las a gerenciar suas próprias emoções, então elas sabem como reconhecer e confirmar seus próprios sentimentos e os sentimentos dos outros.

Ajude-as a formar hábitos positivos que lhes deem uma base sólida para o resto de suas vidas: as crianças começam a aprender um comportamento adequado em casa. As crianças vivem por imitação: farão o que veem. Os pais interessados em educar seus filhos insistirão em certos padrões em suas próprias vidas e na de seus filhos, e motivarão seus filhos e filhas para que, através da repetição do bom comportamento, eles formem hábitos saudáveis e efetivos que os servirão ao longo de suas vidas.

Oriente-os gradualmente para a independência. A verdadeira independência é fruto da maturidade afetiva e da capacidade de gerenciar as próprias responsabilidades. Os bons hábitos e as suas necessidades afetivas são a melhor base para que as crianças cresçam um pouco na capacidade de assumir maiores responsabilidades em sua própria vida. Devemos ensiná-las a fazer por conta própria o que elas estão preparadas, de acordo com sua idade e maturidade (como preparar sua própria mochila para a escola, organizar seu próprio horário, manter seu quarto limpo etc.).

Não há dúvida de que a maior prioridade na vida para os pais é ver seus filhos felizes e realizados. O futuro é construído passo a passo através do nosso comportamento diário. Oferecer aos nossos filhos amor, bons hábitos e independência/responsabilidade é o caminho mais seguro para eles terem vidas cheias de felicidade e satisfação. Hoje dá muito trabalho, e seus filhos nem sempre querem cooperar; mas amanhã eles vão apreciar isso e agradecerão.